Please reload

Posts Recentes

Epilepsia atinge cerca de 3 milhões de brasileiros - Reportagem Jornal da Band

December 6, 2016

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Estresse e epilepsia

 

Estresse é a forma física e emocional como o corpo reage à pressão.  nossos ancestrais se deparavam com situações de perigo, como o encontro inesperado com um animal, precisavam defender-se – atacando ou fugindo. As duas reações demandam uma série de ajustes do corpo.

Atualmente, vivendo em cidades e enfrentando problemas bem diversos dos da selva – como pressões para atingir metas –, o corpo continua preparando-nos para lutar ou fugir quando nos sentimos ameaçados. Mas, em geral, não partimos para a briga física, nem saímos em disparada. E toda a adrenalina, por exemplo, liberada em nosso sangue, fica sem função.

Mudanças em geral, até mesmo as positivas, desencadeiam estresse, tudo porque exigem adaptação: nascimento de filho, mudanças profissionais (troca de emprego, promoção, demissão), aposentadoria, mudança de casa, divórcio, doença ou morte de pessoas queridas. 

 

Quando falamos de epilepsia o nervosismo está ligado a um aumento no número de convulsões em adultos epilépticos. O risco de uma crise aumenta três vezes entre aqueles com ansiedade generalizada e duas vezes para quem tem transtornos de humor.

Ninguém adoece, devido ao estresse, de um dia para o outro. E o próprio corpo avisa que as coisas não vão bem, basta prestar atenção. Confira alguns sinais que podem indicar estresse:

 

 

  • Sensação de desgaste constante

  • Alteração de sono (dormir demais ou pouco)

  • Tensão muscular

  • Formigamento (na face ou nas mãos, por exemplo)

  • Problemas de pele

  • Hipertensão

  • Dores de cabeça

  • Mudança de apetite

  • Alterações de humor

  • Queda de cabelo em excesso

  • Perda de interesse pelas coisas

  • Problemas de atenção, concentração e memória

  • Ansiedade

  • ​Depressão

 

Estresse não apenas afeta o sono como pode induzir convulsões. Em razões das alterações químicas no cérebro causadas pelo estresse, você fica mais propenso a ter convulsões quando está estressado. Estresse também priva você de um bom sono, o que pode desencadear convulsões. Aqui estão algumas dicas para ficar mais relaxado:

  1. Converse com familiares, amigos e profissionais especializados. Falar sobre seus problemas e medos relaxa a mente ajuda a aliviar o estresse. Falar pode ser importante para aliviar

  2. Pratique técnicas de respiração. Sente-se em uma posição confortável. Feche os olhos, concentre-se na respiração. Inspire e expire lenta e profundamente. Sinta como a cada inspiração, você está recebendo energia e, a cada expiração, está liberando estresse.

  3. Envolva-se com um hobby que goste. Se jardinagem é seu passatempo preferido, gaste mais tempo com isso. Se você gosta de ler, procure livros que te distraiam e relaxem. Pare para ler pelo menos algumas páginas de um livro que goste antes de ir para cama. A música é um ótimo relaxante, ouvindo ou tocando um instrumento, entre tantos outros hobbys que podem ser importantes no processo até de autoconhecimento.

  4. Cuide da sua saúde, alimente-se corretamente e de forma saudável, pratique atividades físicas de forma continua e evite o uso de estimulantes e substancias tóxicas como café, bebidas alcoólicas, tabaco e uso de drogas.

  5. Quando não podemos mudar ou eliminar o motivo de nosso estresse precisamos nos adaptar a ele, da melhor maneira. Agora, os estressores internos, aqueles que são resultado de características de personalidade, requerem maior cuidado. Ninguém muda com pequenas dicas, e na maioria das vezes uma terapia pode ser necessária.

  6. Procure descansar adequadamente senão nossa capacidade de atenção, concentração, memória, julgamento e tomada de decisão ficarão comprometidas.

  7. Encontrar o seu equilíbrio emocional, aprendendo a administrar melhor o tempo entre trabalho, família e dedicação pessoal é fundamental. Busque tempo para seu lazer encontre algum momento para se dedicar a você, estando ao lado de pessoas que realmente goste.

  8. Por último e talvez, mais difícil seja, procure administrar melhor o tempo definindo tarefas, objetivos e prioridades. Dar pequenos passos de cada vez pode ser mais eficaz do que ficar esperando uma solução que nunca virá. 

 

 

Se a pessoa adotar estas estratégias poderá sentir diferença, alcançando melhora dos sintomas de estresse e ansiedade. No entanto, a pessoa pode se sentir melhor logo depois de praticar exercícios e ao dormir uma boa noite de sono.

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Linnkedin
Comparrtilhe no Pinterest
Compartilhe no Google+
Please reload

Siga
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
  • White Facebook Icon

© 2020 Viva com Epilepsia

• Eduardo Caminada Junior •

  • White Instagram Icon
logo injoy
  • White YouTube Icon